Histórico e contextualização do programa

O Brasil atualmente ocupa o sexto maior mercado mundial de tecnologia da informação e comunicação (TIC) (ABES 2016). Estima-se que o setor de TIC tenha movimentado US$ 152 bilhões em 2015. Esse cenário positivo gera demanda para formação de recursos humanos qualificados, exigindo planejamento e maiores investimentos. Além disso, para que o país alcance posições cada vez maiores em destaque internacional, é necessário um alto grau de inovação e pesquisa. Nesse sentido, é de interesse nacional a intensificação dos programas de pós-graduação que visem a formar mestres e doutores com maior grau de especialização em setores estratégicos da Computação.

Observa-se, também, que há uma demanda por profissionais da Computação cada vez mais capacitados em extrair conhecimentos a partir de grandes volumes de dados, os denominados cientistas de dados (Davenport and Patil 2012; DSC 2015). Pode-se dizer que diversas empresas urgem em contratar cientistas de dados. Elas estão imersas no dilúvio de dados (do Inglês, Data Deluge) (Berman 2008), onde há grande volume de dados, com diferentes tipos de informação em uma escala sem precedentes. Essa demanda por estes especialistas de Ciência da Computação está bem à frente da capacidade de oferta. O tratamento do dilúvio de dados sendo produzido pelas ciências e por bilhões de usuários de serviços de Internet globais se apresenta como um dos grandes desafios para a atual sociedade do conhecimento. No mundo empresarial, os cientistas de dados são peças fundamentais para abordar o cenário de Big Data (Jagadish et al. 2014). Eles são capacitados a estruturar esses dados e encontrar padrões de modo a aconselhar os executivos sobre as implicações para produtos, processos e decisões (Dhar 2013).

De fato, a demanda pelos cientistas de dados é bem mais ampla. O dilúvio de dados apresenta-se, de forma geral, em múltiplas facetas, fato que vem impulsionando iniciativas em diversas áreas, além do mundo empresarial, no sentido de mais bem entendê-lo. Nas ciências, o dilúvio de dados apareceu como a expressão de uma nova maneira de investigação (Wright 2014), incentivando biólogos, astrônomos, físicos, e demais pesquisadores das mais diferentes áreas científicas a enfrentarem problemas computacionais na denominada e-ciência, que se tornam barreiras para as suas descobertas. No setor governamental, há oportunidades de se debruçar sobre imensas bases de dados do setor público com vistas a gerar planejamento mais eficiente bem como novos serviços que possam melhorar o atendimento ao cidadão. O cientista de dados, é portanto, um profissional capacitado, principalmente, na análise, interpretação e manipulação de grandes volumes de dados (MDS 2015), de modo a trazer o método científico para os mais diferentes setores visando a extração generalizada de conhecimento relevante a partir desses dados (Jacobs 2009; Lazer et al. 2014).

Visando atender esta demanda e, ao mesmo tempo, considerando-se as habilidades e competências do seu corpo docente, tem-se o inicio do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPCIC) em junho de 2016. O PPCIC começa com um mestrado stricto sensu (mestrado acadêmico), sendo organizado em regime trimestral. Para obtenção do título de Mestre em Ciência da Computação, os discentes do Programa precisam obter 24 créditos em disciplinas, desenvolver uma produção científica qualificada e defender tanto um exame de qualificação quanto a dissertação de mestrado propriamente dito.

Dada esta contextualização centrada nos desafios de Ciência de Dados, o programa combina pesquisa básica com aplicada. Essa é uma característica tanto projetada para o perfil do egresso como também presente no perfil dos pesquisadores do quadro docente atual e esperado para os futuros docentes a serem incorporados ao programa. Essa combinação estabelece uma estratégia promissora, uma vez que ao mesmo tempo em que se estabelecem resultados teóricos que subsidiam a construção de novas aplicações para solução de questões práticas, os problemas práticos muitas vezes propiciam a elaboração de novos arcabouços teóricos. Essa abordagem adotada por nosso grupo está aderente ao processo multidisciplinar da Computação.

O programa está inserido na área de conhecimento de Ciência da Computação e está organizado nas linhas Algoritmos, Otimização e Modelagem Computacional e Gerência de Dados e Aplicações.

A linha de Métodos Baseados em Dados compreende todas as etapas individuais existentes desde a seleção de dados até a extração do conhecimento. Já a linha de Gerência de Dados e Aplicações compreende todo o arcabouço que estabelece o experimento in-silico a partir de uma perspectiva datacêntrica.

Enquanto que a linha Algoritmos, Otimização e Modelagem Computacional é agnóstica ao domínio do problema, a linha Gerência de Dados e Aplicações é dependente do problema abordado e fortemente multidisciplinar. Destarte, os Métodos Baseados em Dados têm um aspecto amplo de servir como pesquisa básica. Já, a linha de gerência de dados e aplicação tem um viés mais amplo de pesquisa aplicada com impacto em diferentes áreas do conhecimento e em setores de atuação ao longo do eixo ciência-indústria-governo.

Contexto Institucional

O CEFET/RJ – Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca – é uma Instituição Federal de Ensino Superior (IES). Atualmente a Instituição possui oito Programas de Pós-Graduação stricto sensu com a oferta de seis cursos de Mestrado acadêmico, quatro cursos de Doutorado e um de Mestrado profissional; seis cursos de Pós-Graduação lato sensu; 11 cursos de Graduação nas áreas de Computação, Engenharia e Administração; dois cursos de Licenciatura em Física e 31 cursos de ensino Médio-técnicos, distribuídos na Unidade Sede (Maracanã) e em sete Unidades de Ensino Descentralizadas (Nova Iguaçu, Maria da Graça, Petrópolis, Nova Friburgo, Valença, Angra dos Reis e Itaguaí). O CEFET/RJ também atua na modalidade de educação à distância, com participação na Universidade Aberta do Brasil (UAB), ofertando curso de especialização em Educação Tecnológica visando à formação de professores que atuam na educação básica, e no Consórcio CEDERJ (Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro), que reúne universidades públicas federais e estaduais do Estado do Rio de Janeiro.

Nesse momento, em que se consolida a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, o CEFET/RJ fez a opção pela não transformação em Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) visando transformar-se em Universidade Tecnológica (UT), pleito esse que conta com o apoio formal da ANDIFES e do Fórum de Pró-Reitores de Pesquisa e Pós-Graduação (FOPROP). Em consonância com o objetivo de transformar-se em Universidade Tecnológica, a Direção Geral do CEFET/RJ vem investindo fortemente na pesquisa e na pós-graduação, estando ciente do papel estratégico do exercício de tais atividades em um modelo universitário. Esse apoio pode ser observado através do aumento significativo de recursos próprios destinados às necessidades dos grupos de pesquisa e dos programas de pós-graduação. Esse compromisso com a consolidação da pesquisa e pós-graduação na Instituição encontra-se formalizado em seu plano de Desenvolvimento Institucional (PDI).

O forte crescimento das atividades de pesquisa e pós-graduação no CEFET/RJ observado nos últimos anos pode ser traduzido pelo aumento expressivo da produção científica qualificada, do número de grupos de pesquisa, do número de programas de pós-graduação, do número de bolsistas de produtividade do CNPq, do número de bolsas de iniciação científica e de mestrado, além da ampliação da sua infraestrutura de pesquisa com a criação de novos laboratórios e a modernização dos existentes. A renovação do quadro docente nos últimos anos foi um fator essencial ao promover o aumento do corpo docente na Instituição, especialmente aqueles com titulação de doutor. Este panorama influencia diretamente nas perspectivas de evolução e consolidação do PPCIC.