Oportunidades na Ciência da Computação: Uma visão na perspectiva de Ciência de Dados

Título: Oportunidades na Ciência da Computação: Uma visão naperspectiva de Ciência de Dados

Fórum: Escola Municipal Victor Hugo

Data: December / 2018

Local: Rio de Janeiro, RJ

Resumo:

O Brasil atualmente ocupa o sexto maior mercado mundial de tecnologia da informação e comunicação (TIC) (ABES 2016). Estima-se que o setor de TIC tenha movimentado US$ 152 bilhões em 2015. Esse cenário positivo gera demanda para formação de recursos humanos qualificados, exigindo planejamento e maiores investimentos. Além disso, para que o país alcance posições cada vez maiores em destaque internacional, é necessário um alto grau de inovação e pesquisa. Nesse sentido, é de interesse nacional a intensificação dos programas de pós-graduação que visem a formação de mestres e doutores com maior grau de especialização em setores estratégicos da Computação.

Observa-se, também, que há uma demanda por profissionais da Computação cada vez mais capacitados em extrair conhecimentos a partir de grandes volumes de dados, os denominados cientistas de dados (Davenport and Patil 2012; DSC 2015). Pode-se dizer que diversas empresas urgem em contratar cientistas de dados. Elas estão imersas no dilúvio de dados (do Inglês, Data Deluge) (Berman 2008), onde há grande volume de dados, com diferentes tipos de informação em uma escala sem precedentes. Essa demanda por estes especialistas de Ciência da Computação está bem à frente da capacidade de oferta. O tratamento do dilúvio de dados sendo produzido pelas ciências e por bilhões de usuários de serviços de Internet globais se apresenta como um dos grandes desafios para a atual sociedade do conhecimento. No mundo empresarial, os cientistas de dados são peças fundamentais para abordar o cenário de Big Data (Jagadish et al. 2014). Eles são capacitados a estruturar esses dados e encontrar padrões de modo a aconselhar os executivos sobre as implicações para produtos, processos e decisões (Dhar 2013).

Finalmente, desde seu surgimento, as mulheres têm tido papel fundamental na Computação. Ada Lovelace (1815–1852) é considerada a primeira programadora de computadores da história, Grace Hopper (1906–1992) desenvolveu o primeiro compilador para um computador eletrônico. Existem diversos outros exemplos de mulheres que fizeram a diferença na história da Computação, e ainda fazem. Mas por que existem tão poucas mulheres nos cursos de Computação hoje em dia? Como podemos mudar esse quadro?

Apresentação

About Eduardo Ogasawara
I am a Professor of the Computer Science Department of the Federal Center for Technological Education of Rio de Janeiro (CEFET / RJ) since 2010. I hold a PhD in Systems Engineering and Computer Science at COPPE / UFRJ. Between 2000 and 2007 I worked in the Information Technology (IT) field where I acquired extensive experience in workflows and project management. I have solid background in the Databases and my primary interest is Data Science. He currently studies space-time series, parallel and distributed processing, and data preprocessing methods. I am a member of the IEEE, ACM, INNS, and SBC. Throughout my career I have been presenting consistent number of published articles and projects approved by the funding agencies, such as CNPq and FAPERJ. I am also reviewer of several international journals, such as VLDB Journal, IEEE Transactions on Service Computing and The Journal of Systems and Software. Currently, I am heading the Post-Graduate Program in Computer Science (PPCIC) of CEFET / RJ.

Comments are closed.